quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Nos tempos de hoje, as adoções de crianças não são nada extraordinárias. Por um lado, inúmeros casais, em todo o mundo, passam anos inteiros tentando aumentar família e, não vendo resultados, começam a pensar sobre outras maneiras de se tornarem pais. Por outro lado, o número de crianças dadas para adoção, que só conhecem a realidade de orfanatos, infelizmente, não diminui. Além disso, há as histórias de abortos – ilegais ou não – aos quais as mulheres se submetem, assustadas com a possibilidade de se tornarem mães (seja, por razões de idade, opinião dos outros, de saúde ou simplesmente por comodidade).
Muitas mulheres se vêm obrigadas a tomar decisões que ninguém gostaria de enfrentar. Elas, com muita frequência, têm de decidir se querem ou não para matar seus próprios filhos… Mais uma vez, deve-se notar que este tipo de escolha e seus problemas não só ocorrem com as mães comuns. Acontece que, em sua época, algumas mães famosas também tiveram que ter força de vontade e coragem suficientes para se opor às expectativas e sugestões de todos. Se não fosse por elas, algumas estrelas talvez nunca tivessem nascido.

1. Cher

A mãe da lendária cantora, Georgia Holt, recentemente confessou que ela estava determinada a interromper a gravidez, depois de sua própria mãe a ter incentivado a isso. Ela estava à espera da cirurgia, em uma clínica especial, porém, no momento decisivo, encontrou coragem e recusou-se a matar sua filha. Embora Cher só tenha conhecido seu pai quando tinha 11 anos (seus pais se separaram e se juntaram várias vezes seguidas), hoje ela se lembra bem dele. Por sinal, ao contrário de sua mãe, Cher hoje é uma firme defensora da legalização do aborto.

2. Jack Nicholson

Outro famoso que deve sua vida à força de sua mãe é um dos maiores atores de Hollywood. Nicholson contou repetidamente sua história aos meios de comunicação. Sua mãe engravidou quando ainda era adolescente e, apesar das persuasões dos médicos, decidiu dar à luz e trazer a sua criança ao mundo. Apesar do pequeno Jack ter sido, depois, criado por sua avó materna (que ocupou-se do neto como se fosse seu filho), acreditando que sua verdadeira mãe fosse sua irmã, ele é até hoje um ferrenho defensor da vida.

3. Andrea Bocelli

Faltou pouco para deixarmos de conhecer o belo canto deste excelente tenor. Durante a gravidez, sua mãe sofreu um severo ataque de apendicite. Apesar, dos médicos terem tentado encorajá-la a interromper a gravidez, alertando que a criança poderia nascer deficiente, ela decidiu dar à luz a qualquer custo. O artista nasceu com um glaucoma congênito e perdeu a visão permanentemente com a idade de 12 anos. Hoje, apesar de cego, ele sente muita gratidão por sua mãe.

4. Celine Dion

Uma das vozes canadenses mais conhecidas do planeta poderia também nunca ter surgido. Se não fosse pela coragem de sua mãe, nunca teríamos conhecido Celine Dion, nem sua versão extraordinária da música do “Titanic”, “My Heart Will Go On”. Therese Dion ficou grávida pela última vez aos 41 anos. Os médicos não paravam de dizer-lhe que o melhor que ela poderia fazer em sua situação (a família formada por ela e seu marido era estável, mas muito pobre) seria abortar. Apesar das sugestões, a mulher teve o bebê: Celine nasceu como a mais nova dos 14 filhos do casal. Nenhum dos pais jamais lamentou a decisão de trazê-la ao mundo.

5. Cristiano Ronaldo

Dolores Aveiro é a mãe do famoso jogador e, há muito tempo, publicou uma autobiografia. No livro, intitulado “Mãe Coragem”, além contar sua vida com detalhes, ela revela que seu talentoso filho poderia não ter nascido. Aveiro reconhece que esteve prestes a abortar, mas o médico não concedeu seu pedido e recusou-se a realizar a cirurgia. Embora ela tenha feito todos os esforços possíveis para causar um aborto espontâneo, Cristiano nasceu bem e saudável. Sua mãe diz que, ao conhecer a verdade sobre seu passado, Cristiano brincou:“Viu, mamãe? Você não queria que eu nascesse e hoje eu sou o responsável pelo dinheiro nesta casa.”

6. Steve Jobs

Falecido há apenas cinco anos e criador da poderosa marca Apple, Steve foi adotado quando criança. Sua mãe biológica ficou grávida aos 23 anos e, apesar de não querer criar seu filho, decidiu dar à luz e dá-lo para adoção. Com essa decisão, Steve logo encontrou um lar amoroso. Muito mais tarde, ele decidiu encontrar sua mãe biológica (e, de fato, com a ajuda de um detetive, ele conseguiu encontrá-la vários anos mais tarde,). Jobs pôde se reconciliar com a mulher que lhe deu a vida e agradeceu-lhe por não o ter abortado.

7. João Paulo II

Apesar de Karol Wojtyla ter sido um dos pontífices mais respeitados e amados da história, poucos sabem que sua história poderia ter sido muito diferente. Devido a uma negligência médica, 10 anos antes de seu nascimento, sua mãe perdeu uma filha recém-nascida. Além disso, o “especialista” aconselhou-a a interromper a próxima gravidez. Graças à sua corajosa decisão de mantê-lo, o mundo pôde conhecer um dos homens mais nobres e bons da história.

8. Justin Bieber

Como os pais de Justin não estavam planejando ter filhos (eles eram muito jovens quando souberam que Pattie Mallette estava grávida), inicialmente eles pensaram em abortar. Apesar de, após o nascimento da criança, terem decidido se separar, sua mãe foi capaz de fornecer-lhe todo o necessário para começar sua carreira na música. Hoje, mesmo nas partes mais remotas do mundo, o nome de Justin Bieber é conhecido e sua mãe é sua empresária e agente!

9. Roberto Gómez Bolaños

Acredite ou não, o personagem mais conhecido e amado da América Latina também poderia não ter nascido. Em uma entrevista relacionada a uma campanha social antiaborto, o ator mexicano admitiu que ele iria ser abortado. Sua mãe, durante a gravidez, sofreu um acidente muito grave, que colocou em perigo sua saúde e a de seu bebê. Felizmente, ela teve a coragem de ir em frente e deu à luz ao futuro ídolo. Você pode imaginar o mundo sem o Chaves?
Ao ler essas histórias, podemos facilmente perceber a influência devastadora das decisões fatais feitas por algumas mães. Com certeza, as mulheres em questão não têm ideia do que pode acontecer. E, mesmo as que decidiram dar à luz, o peso do aborto costuma persegui-las até o último dia de suas vidas. Com certeza: não poderíamos imaginar o mundo sem Jack Nicholson, em “O Iluminado”, sem Cher e sua “Shoop, shoop song“, sem a comodidade – graças ao gênio Steve Jobs – dos dispositivos da Apple… E, mesmo assim, nunca saberemos quantos gênios, artistas, cientistas e benfeitores foram perdidos para o mundo por causa dos abortos.

0 comentários :

Postar um comentário